Siga

Siga por Email

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Papo Orquidófilo

Hoje vamos falar de orquídeas com o amigo jornalista Edson Cherem o qual cultiva ORQUÍDEAS, VANDÁCEAS, BROMÉLIAS e ADENIUNS.

Dorothis
Foto de Edson Cherem
Papo Orquidófilo
Com: *Edson Cherem
Nesta edição vamos dar dicas sobre PLANTIO de orquídeas.
Sem dúvida, o método mais simples é fixá-las em árvores, de forma que sejam atingidas apenas pelo sol da manhã, ou do fim da tarde. Se precisar de mais claridade elas vão girar na direção do sol. Vale observar que na natureza raramente as orquídeas se fixam em galhos horizontais. A maioria é encontrada em apoios na posição vertical ou inclinada.
Em orquidários as plantas podem ser acomodadas em vasos de plástico ou de barro e também em cachepots, troncos de madeira durável, placas ou palitos de xaxim, etc... Eu utilizo vasos de barro, cachepots e troncos, pois costumo molhá-las diariamente e assim não corro tanto risco de provocar o apodrecimento das raízes.

O vaso apropriado tem um furo central no fundo, outros laterais e deve ser proporcional ao tamanho da planta. Coloque pedras ou cacos de telha no fundo ocupando 2/3 da altura do vaso. Esse procedimento favorece o escoamento da água e serve também de abrigo para as raízes. Encoste a traseira da planta na borda do vaso e garanta que a nova frente fique a dois dedos da borda. Dessa forma sua planta só deverá ser reenvasada após um ou dois anos. Como substrato utilizo a casca de pinus autoclavada, livre de tanino, em tamanhos grande e médio. As vezes misturo um pouco de pedra zero e esfagno (musgo).
Em algumas regiões, ao invés de vasos utilizam-se placas de cupinzeiro, metade de coco seco, bambu grosso, garrafas pet, coco da sapucaia, coco da castanha do Pará, ossos, etc... Vale a criatividade e observar o desenvolvimento da planta.
Quando sua orquídea começar a soltar raízes novas, evite trocá-la de lugar. Eles não gostam.

Foto: Edson Cherem


Papo Orquidófilo
com: *Edson Cherem
Nesta edição vamos dar algumas dicas sobre ADUBAÇÃO, tema bastante polêmico entre os cultivadores. O meu relato é sobre a experiência que tenho no trato com as minhas plantas, sem nenhum objetivo de esgotar esse assunto. No habitat a orquídea é uma planta de crescimento lento, mas em perfeita sintonia com o meio, de onde extrai seus nutrientes. Em confinamento, elas dependem do orquidófilo para se desenvolverem. A adubação adequada e regular acelera esse processo, possibilita a floração e proporciona condições para que a orquídea reaja contra a ação de algumas doenças e pragas. Vale destacar que o adubo não é exatamente o “alimento” da orquídea visto que as plantas necessitam também da água, dióxido de carbono e energia solar para produzir açúcares, através da fotossíntese. Os adubos utilizados para as orquídeas têm a sigla NPK, dos macronutrientes essenciais; Nitrogênio (N), Fósforo (P) e Potássio (K), com suas respectivas porcentagens. O Magnésio, Cálcio e Enxofre, entram em menores quantidades, mas apenas um ou dois desses elementos, porque a formulação com todos é quimicamente incompatível, visto que o sulfato de cálcio não se dissolve e acaba se precipitando. Por isso alguns fabricantes produzem o CalMag separadamente. Nove elementos químicos atuam em quantidades bastante pequenas, são os micronutrientes essenciais: Boro, Cloro, Cobre, Ferro, Manganês, Molibdênio, Níquel, Sódio e o Zinco. Para ser considerado completo, o adubo deve conter macros e micros nutrientes. Adubos balanceados contêm a mesma proporção de elementos básicos NPK; 20-20-20, 10-10-10, etc... São os que eu utilizo, de 15 em 15 dias, em doses menores que a recomendada pelo fabricante. Meu amigo químico, Vicente Melo, recomenda os adubos sólidos a serem dissolvidos na água. Segundo ele, os adubos líquidos tendem a perder mais propriedades durante o seu manuseio. Alguns orquidófilos usam o 30-10-10 para acelerar o crescimento de seedlings e 15-30-15 para induzir a floração.

Nunca utilize dosagem maior do que a especificada pelo fabricante, pois poderá ser letal.
O ideal é fazer uso de uma mistura bem mais fraca, aplicada diariamente, particularmente nas vandáceas. Por fim vale destacar que nem todos os adubos NPK são próprios para orquídeas, pois podem conter componentes secundários nocivos à planta.
Adquira produtos específicos.
Dúvidas e sugestões para edsoncherem@gmail.com .
Edson Cherem cultiva orquídeas no bairro Caxito, em Maricá-RJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Bixo Aki agradece pelo seu comentário, sua opinião é muito importante para nós.
Comentários que contém ofensas e palavrões não serão
aceitos.Por isso reflita antes de fazer qualquer comentário que poderá testemunhar contra você.